Alimentação e inteligência emocional: como as refeições diárias podem impactar na qualidade de vida?

Para uma rotina feliz, o segredo está na alimentação rica em nutrientes, sono de qualidade e bem-estar

A alimentação é vital e necessária ao nosso dia-a-dia. Já a emoção é tudo aquilo que sentimos em resposta ao que vivemos. Mas, por exemplo, você conhece alguém que come mais do que deveria por “descontar” os sentimentos no momento da refeição? Isso é sinal de que a alimentação e inteligência emocional estão diretamente relacionadas. 

De acordo com a ciência, há uma tríade que baseia todas as atitudes e sentimentos que formam a inteligência emocional na vida do ser humano: o psicológico, o social e o biológico. De acordo com Patrícia Torassi, nutricionista do Grupo Risotolândia – especializado em refeições coletivas – “as pessoas recebem um prazer momentâneo descontando suas emoções na comida. Isso é fornecido pela dopamina e pela serotonina”.

Esses dois neurotransmissores liberam a sensação de prazer quando, por exemplo, nos exercitamos, abraçamos alguém ou comemos algo que gostamos. Segundo a nutricionista, “a diferença é que quando comemos alimentos ricos em gordura, o pico de insulina depois da boa sensação vai ter consequências ruins, como o acúmulo de gordura, estresse com a rotina ou letargia após a ingestão. Isso, além de afetar as simples atividades do cotidiano, vai afetar a inteligência emocional.”

Isso acontece porque depois da euforia com o alimento ingerido, o organismo voltará à letargia, afetando a inteligência emocional e querendo o prazer novamente, afinal de contas a sensação mudou em poucos segundos. É assim que esse ciclo vicioso e nada saudável funciona.

Como fazer da alimentação uma aliada na melhora da inteligência emocional?

E, para reverter esse quadro de dependência da “felicidade” nos alimentos, a nutricionista deixa a dica de que a alimentação precisa ser nutritiva. “No dia-a-dia temos que ingerir gorduras boas, carboidratos complexos, vitaminas D e B12 e ainda ter um sono de qualidade”.

Esses fatores vão prover uma vida mais saudável, principalmente porque a digestão desses alimentos é mais lenta e gradual, fornecendo assim energia ao cérebro por mais tempo. Pensando por outro lado também, com alimentação leve e o cérebro saudável, a rotina e o dia-a-dia por si só, acabam tornando-se prazerosos.

Esse é o conceito que trabalhamos nas empresas que atendemos com a Risotolândia Restaurantes Corporativos. Queremos que os colaboradores, por meio de uma alimentação saudável e balanceada, sintam-se mais felizes, mais engajados e, consequentemente, sejam mais produtivos em seu ambiente de trabalho.

Leia também: 5 livros para você refletir sobre negócios

Agende uma conversa para saber

Compartilhar