Alimentação e inteligência emocional: como as refeições diárias podem impactar na qualidade de vida?

Inteligência emocional e alimentação

Discussões sobre inteligência emocional se tornaram cada vez mais comuns no âmbito corporativo, o que é positivo. Afinal de contas, o assunto tem grande impacto no cotidiano.

A inteligência emocional tem relação com praticamente tudo que fazemos ao longo dos nossos dias, então, saber usá-la resulta em uma melhor qualidade de vida.

Quem conhece a existência desta inteligência e possui um bom controle emocional tem resultados positivos em questões de trabalho, vida pessoal, sentimental e de satisfação pessoal, por exemplo.

Confira um pouco mais do nosso conteúdo para entender como ela funciona na prática e o impacto da alimentação nesse tema.

 O que é inteligência emocional?

A inteligência emocional pode ser explicada como a capacidade que possuímos de controlar as nossas emoções. Ela tem um papel fundamental nas nossas ações cotidianas, seja conosco mesmo ou com quem convivemos.

Uma das principais, se não a principal razão para dar atenção a esse tipo de inteligência é que por meio dela podemos tirar o melhor de nós e das nossas relações com outras pessoas.

Todos possuem uma grande dependência em relação às emoções, porém muitos de nós temos formas distintas de lidar com elas. Por esse motivo, muitas vezes o que para uma pessoa pode não funcionar para outra dá certo.

Entender qual a forma que funciona para você e como usá-la o seu favor é o grande desafio, mas, ao quando encontrada, consequentemente será um grande benefício.

Qual é a relação da alimentação com tudo isso?

Além de enxergar a inteligência emocional como algo positivo, também é preciso levar em conta que não ter controle sobre as emoções pode causar o inverso dos benefícios citados.

Nesse trabalho de lidar com o nosso emocional, a alimentação se mostra como um ponto bem interessante de ligação.

Para aqueles que possuem um maior controle sobre suas emoções, as refeições são em busca de mais prazer, boas sensações e até mesmo um ato de socialização. Já para quem não as controla muito bem, os alimentos podem ser vistos como uma forma de aliviar tensões, preocupações, raiva e ansiedade, por exemplo, o que é bem preocupante, já que pode gerar outras doenças.

Tudo isso acontece pois o nosso cérebro é o principal responsável por lidar com as emoções, funciona por meio de estímulos e muitos deles vêm de parte de nutrientes obtidos pela alimentação.

As refeições diárias têm uma relação direta com a nossa saúde mental e desenvolvimento cognitivo. Os alimentos inclusive podem melhorar nossas capacidades cerebrais e corporais.

Quer entender mais sobre esse assunto e descobrir como a alimentação impacta diretamente na inteligência emocional?

Faça o download gratuito do nosso ebookInteligência emocional e alimentação” e descubra!

VOLTAR
Fique atualizado.
Receba as publicações do Blog Risotolândia diariamente na sua caixa de mensagens.