Como dietas hospitalares podem ajudar pacientes pré-diabéticos

Popularmente conhecida, a diabetes atinge 1 a cada 11 brasileiros. Contudo, segundo a pesquisa realizada pelo Ibope em novembro de 2019, 42% das pessoas desconhecem o pré-diabetes, condição que indica alterações nos índices de glicemia. Ela é desencadeada muitas vezes por maus hábitos praticados por um longo período, como sedentarismo, ganho de peso, má alimentação ou tendência genérica. Diante deste cenário, as dietas hospitalares são grandes aliadas no tratamento de pacientes e na prevenção do aumento da doença, que pode chegar a um diabetes tipo 2 se não tratada em tempo.

O ideal é realizar exames regularmente, porém, muitos não dão a devida atenção para os cuidados com a saúde, e acabam descobrindo doenças como a pré-diabetes em um estado mais avançado. Neste momento, as dietas hospitalares tornam-se fundamentais para a melhora no estado de saúde dos seus pacientes, exigindo uma equipe de nutricionistas e profissionais capacitados para atender as demandas individuais de cada pessoa. Como somos especialistas quanto o assunto é refeições hospitalares, decidimos trazer algumas dicas de como melhorar a alimentação de pessoas pré-dispostas ao diabetes. Confira acompanhando a leitura.

Dieta hospitalar equilibrada

Não existe um padrão a ser seguido, contudo, o ideal é adotar uma dieta balanceada com baixos níveis de açúcar e cortar o consumo de alimentos processados. É importante ser realista e elaborar um cardápio que o paciente possa seguir, acompanhado de uma equipe multidisciplinar com um nutricionista montar a dieta, como fazemos na Risotolândia saúde.

Quais alimentos incluir na dieta hospitalar?

Preferencialmente, pré-diabéticos devem substituir o consumo de carboidratos simples como frituras e gorduras de origem animal, por grãos, cereais integrais, legumes, vegetais folhosos e café. Estes alimentos diminuem a incidência de diabetes nos pacientes pré-dispostos a esta condição.

O que evitar

Segundo especialistas, não é adequado eliminar completamente nenhum tipo de alimento, porém, é aconselhado a diminuição no consumo de farinha branca, presente em bolos, biscoitos, tortas e afins, além de doces e bebidas com açúcares artificiais.  Por serem altamente refinados, são alimentos que produzem picos glicêmicos precoces.

O diabetes é uma doença silenciosa e não há sintomas que o identificam, fazendo dela um problema tão sério. Por isso, é importante realizar regularmente exames de rotina, além é claro do cuidado com a alimentação e práticas de exercício.

Leia também:  Qual a alimentação adequada na recuperação de pacientes?

Compartilhar