Alimentação e inteligência emocional: como as refeições diárias podem impactar na qualidade de vida?

Como promover a alimentação saudável na escola

A alimentação saudável na escola vai muito além de apenas citar que essa questão é importante para o dia a dia.

A educação alimentar é um assunto que merece atenção e precisa ser cada vez mais recorrente no ambiente escolar. Além de contribuir para o processo de aprendizagem, ela também pode ajudar na melhora da qualidade de vida, por exemplo.

Para estender esse assunto também aos pais, a Risotolândia busca por diversas alternativas. Hoje promovemos incentivos à alimentação saudável, palestras sobre o tema e enviamos conteúdos educativos para as famílias, por exemplo.

Como resultado esperamos que a educação alimentar não fique apenas no ambiente escolar, mas sim que principalmente se torne um hábito diário para todos os alunos e os seus responsáveis.

Neste post separamos algumas medidas que podem envolver toda essa relação entre alimentação, estudos e saúde.

Como promover a alimentação saudável na escola

Não é de hoje que esse assunto ganhou espaço nas discussões das escolas, governos, pais e gestores. É verdade que muitas medidas para conter o avanço da obesidade e melhorar a alimentação de crianças e jovens já foram implementadas.

Atualmente existem leis que regulamentam essas situações e principalmente colocam a saúde dos alunos em primeiro lugar. Afinal, esse é um requisito básico para um bom desempenho escolar.

O Ministério da Saúde inclusive criou dez passos a serem trabalhados para promover a alimentação saudável nas escolas. A seguir iremos falar um pouco sobre cada um deles, confira:

1 –  Trabalhar em conjunto com a comunidade

Tratar sobre alimentação saudável no ambiente escolar tem a sua importância em diversos aspectos. Porém, de nada irá adiantar se esse trabalho parar por aí e não chegar até a casa dos alunos, por exemplo.

As escolas devem passar as orientações aos alunos e incentivar essas práticas mais saudáveis no dia a dia deles.

Em conjunto com outras empresas, com as fornecedoras de refeições e também os produtores locais esse trabalho tende a ser facilitado, sempre lembrando da importância de contar com produtos de qualidade.

Essas medidas são tomadas principalmente para melhorar a qualidade de vida das pessoas e atuar na prevenção de doenças como a obesidade e a diabetes.

2 – Promoção da saúde

Simplesmente comentar que consumir um determinado alimento ou que manter um hábito mais saudável pode fazer a diferença na rotina certamente terá pouco impacto.

A escola tem nas mãos uma oportunidade de inserir esse assunto nas atividades diárias e estimular mais discussões sobre ele.

Partir do tema saúde como um argumento para mudar a alimentação, por exemplo, pode dar outro aspecto para as iniciativas.

3 – Envolver os responsáveis

A educação alimentar não é responsabilidade apenas da escola. Os responsáveis pelos alunos tem um papel fundamental nessa questão.

O aluno pode receber toda a instrução nas aulas, consumir as refeições preparadas pela escola e participar das atividades sobre o assunto. Porém, se ele chegar em casa e a realidade for diferente tudo isso certamente será em vão.

Por esse motivo, desenvolver atividades de incentivo para os responsáveis também é necessário. Dessa forma todos terão acesso às informações importantes, os benefícios e podem contribuir ainda mais para a mudança dos hábitos.

4 – Contar com profissionais qualificados

Os responsáveis pela distribuição das refeições também têm um papel importante na promoção de uma alimentação mais saudável, independente se a escola optou por ter uma cozinha própria ou se terceiriza as refeições.

Acima de tudo contar com uma boa estrutura e seguir as regras de segurança alimentar são imprescindíveis para as refeições escolares.

Certamente trabalhar essa questão de segurança, correto manuseio dos alimentos e a preparação deles também pode chegar até as salas de aula ou até mesmo em atividades extra curriculares.

Além disso, é importante que esses profissionais também se mantenham atualizados para sempre oferecer o que há de melhor para os alunos.

5 – Controlar a oferta de certos alimentos

Alimentos com alto teor de açúcares e gorduras são cada vez menos comuns nas escolas. Essas medidas precisam ser tomadas principalmente para atuar na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis.

Colocar em pauta as informações nutricionais das refeições pode ser interessante e sempre relacionar com os benefícios para a saúde.

Essa estratégia certamente também pode funcionar para mostrar a importância de boas refeições e o impacto negativo de consumir alguns alimentos.

6 – Ofertar alimentos mais saudáveis

Seja em uma cantina ou restaurante escolar a oferta das refeições precisa ser feita com muita atenção.

Ao mesmo tempo que o desejo seja em oferecer alimentos mais saudáveis, ouvir os alunos sobre as suas preferências também é necessário.

Existem diversas receitas em que as quantidades de sódio e açúcares podem ser diminuídas, por exemplo. Dessa forma, eles podem continuar consumindo algumas das suas refeições preferidas, mas de forma mais saudável.

Além disso, mostrar outras opções de alimentos também é importante para aumentar a variedade de nutrientes consumidos.

7 – Promover o consumo de frutas e verduras

As frutas e verduras são alimentos ricos em vários nutrientes importantes para uma rotina mais saudável e produtiva. Além disso, como já falamos anteriormente eles podem contribuir até para a melhora no desempenho escolar.

Chega a ser repetitivo dizer que consumi-los é importante para a manutenção da saúde.

Por isso, encontrar formas de estimular o consumo fugindo um pouco dos benefícios pode ser uma boa estratégia. Desenvolver atividades relacionadas podem funcionar nesse sentido.

Os projetos em que as escolas criam uma horta própria e colocam os alunos em todo o processo são muito interessantes.

Além de facilitar o acesso aos alimentos, um trabalho como esse pode aumentar o interesse dos alunos sobre o assunto e até incentivá-los a estender essa atividade para suas casas.

8 – Serviços de alimentação

Os serviços de alimentação têm um papel importante na promoção de refeições mais saudáveis. Além disso, a atuação delas também pode ultrapassar o fornecimento dos alimentos na escola.

Na Risotolândia, por exemplo, a ideia é sempre trabalhar ações que contribuam para a promoção da alimentação saudável.

Eles podem servir como ótimas ferramentas de informação para a comunidade em relação à importância da alimentação no dia a dia.

Também é importante que isso seja trabalhado de forma criativa para que não caia no esquecimento de quem passa todos os dias pela escola.

Esses formatos de comunicação podem reforçar os conteúdos trabalhados nas aulas ou até mesmo trazer uma visão diferente. Uma boa opção pode ser a divulgação de receitas de pratos tradicionais, mas com receitas mais saudáveis, por exemplo.

9 – Compartilhar experiências

Promover a alimentação saudável na escola não é o trabalho de uma ou de outra instituição. Essa certamente é uma questão que precisa ser assunto em todas.

É claro que existem aquelas que fazem grandes esforços pelo assunto, outras menos e também as que ainda não adotaram práticas sobre o assunto.

As escolas que já atuam nesse tema certamente podem contribuir para espalhar a importância dele.  Hoje as redes sociais são ótimos canais para isso, as trocas de informação podem ser feitas entre o contato de uma escola com a outra também e por aí vai.

É importante lembrar que todas as escolas têm como objetivo proporcionar educação para seus alunos e trabalhar em conjunto para isso nunca é demais.

Atuar em conjunto certamente pode trazer resultados ainda melhores em todos os sentidos.

10 – Trabalho contínuo

Quantas vezes vemos projetos muito interessantes iniciarem e depois de algum tempo serem deixados de lado. Com a promoção de uma alimentação mais saudável nas escolas isso não pode acontecer.

Ou seja, ser recorrente e inovar nas atividades relacionadas ao tema é fundamental para que o assunto não seja esquecido.

O Ministério da Saúde, por exemplo, sugere que as escolas incentivem ações de diagnóstico, prevenção e controle de distúrbios alimentares.

Dessa forma além de simplesmente transmitir as informações e incentivar o consumo de alimentos mais saudáveis, os alunos e a comunidade podem identificar na prática as melhorias para o seu próprio estado de saúde.

Posteriormente todos podem começar a adotar hábitos mais saudáveis e também repassar essas práticas para ainda mais pessoas.

Para intensificar as suas ações sobre alimentação saudável na escola e principalmente oferecer refeições de qualidade conte com a Risotolândia Alimentação Escolar.

VOLTAR
Fique atualizado.
Receba as publicações do Blog Risotolândia diariamente na sua caixa de mensagens.